A RioPar

Quem somos

A RioPar foi criada em 2012, com o intuito de investir em novos serviços relacionados à mobilidade urbana, para melhorar o dia a dia dos usuários e das empresas de transporte, gerando oportunidades de melhorar cada vez mais a qualidade dos serviços prestados.

Atualmente, a RioPar é gestora da bilhetagem eletrônica do estado do Rio de Janeiro, com média de 6 milhões de transações financeiras por dia.

Presta serviços e dá suporte às operadoras de transporte e a seus clientes, facilitando o acesso ao transporte público coletivo de passageiros.

Scroll

Complexidade Operacional

 

  • Matriz com 40 mil regras de integrações e 5 milhões de cruzamentos
  • Processamento e ressarcimento dos modais em d+1
  • Mais de 25 mil validadores gerenciados
  • 8,7 milhões de cartões em uso
  • Controle de uso das gratuidades, evitando fraudes e uso abusivo

 

  • 896 pontos de venda espalhados em todo o Estado
  • 4,3 milhões de recargas por mês
  • Compra pela internet e validação da carga a bordo
  • Mais de 70 terminais de consulta
  • Entrega de cartões em todo o estado do Rio de Janeiro
  • Produção de 160 mil cartões/mês
  • Suporte e facilidade para realização de grandes eventos

 

  • 22 lojas
  • 1,3 mil atendimentos nas redes sociais/mês
  • 135 mil ligações/mês
  • 80 mil clientes corporativos compradores de Vale-Transporte

 

  • 174 links de redes
  • 115 websites
  • 1.702.694 arquivos processados / outubro 2021
  • 2.045 arquivos transmitidos aos órgãos públicos / outubro 2021

História

1955

Políticas
Públicas

Benefício
Usuário

Papel dos
Operadores

1985

Instituição do Vale-transporte
Lei Federal nº 7.418/85

Garantia do trajeto casa-trabalho-casa

Todas as empresas devem emitir o Vale-Transporte em papel

2004

Lei da Bilhetagem eletrônica
Lei Estadual nº 4.291/04

Facilidade na aquisição de créditos e agilidade no embarque

Todas as empresas devem emitir o Vale-Transporte eletrônico

2010

Lei do Bilhete Único
Lei Estadual nº 5.628/10

Benefício tarifário RMRJ. Economia no uso do transporte

Todos os modais e empresas devem realizar a integração tarifária

2012

Lei do Bilhete Único Carioca
Lei Municipal nº 5.211/12

Benefício tarifário Município do Rio. Economia no uso do transporte

Modal ônibus deve realizar a integração tarifária

2016

Decreto da Biometria Facial
Dec. Estadual nº 45.749/16

Garantia do uso correto do benefício pelo titular do cartão

Todos os modais devem adequar a instalação das câmeras.

2018

-

Amplia a forma de aquisição do Vale-Transporte
Alternativa de escolha.

Modais (exceto ônibus) podem emitir o Vale-Transporte
Todos os modais deverão aceitar todos os cartões de transporte.

2019

-

Evolução tecnológica e melhorias na experiência dos clientes

App, Clube de Vantagens, Alteraçao da Marca e Redução de SKU

2020

-

-

RioPar assume responsabilidade de ressarcir, além de arrecadar e processar

Nossos números


Mais de 6 milhões de transações financeiras
7

Modos de
Transporte Público
de Passageiros

73

Mil Empregos
Diretos

4,7

Milhões de Pessoas
Transportadas por dia

5

Milhões de
Transações
Bancárias/mês

150

Operadoras
Ressarcidas/dia

2.600

Permissionários
Ressarcidos/dia

80

Mil Clientes
Corporativos

1.400

Pontos de Vendas

20

Mil Ônibus

Missão, Visão, Atuação e Valores

Missão

Prestar serviços e suporte às empresas de transporte e clientes, facilitando o acesso ao transporte público coletivo de passageiros.

Visão

Ser referência como organização atuante no fortalecimento do sistema de transporte público coletivo de passageiros.

Atuação

Apoiar a Fetranspor em seu papel de representatividade dos sindicatos das empresas de ônibus do estado do Rio de Janeiro, contribuindo para a melhoria da mobilidade urbana, visando ao aprimoramento do sistema de transporte de passageiros e à prestação de serviços e suporte às empresas de transporte e clientes, facilitando o acesso ao transporte público coletivo de passageiros.

Valores

Integridade e Conformidade: significa agir de acordo com os valores morais e os princípios que norteiam a conduta humana na sociedade, possibilitando que ninguém seja prejudicado. Todos devem refletir esse comportamento em suas atividades profissionais e relacionamentos, assumindo o compromisso de respeitar os normativos corporativos e as normas legais, repudiando e combatendo qualquer forma de ilicitude. Conduta e discurso deverão estar alinhados.

1/

Transparência: significa esclarecer e disponibilizar as informações requeridas pelas partes interessadas, de modo completo, preciso, tempestivo e compreensível no âmbito de suas responsabilidades, atuando com diligência e clareza.

2/

Equidade: significa tomar decisões e agir de forma imparcial, justa e objetiva, de forma que o interesse próprio não leve a uma conduta em detrimento dos direitos e deveres das demais partes interessadas.

3/

Responsabilidade corporativa: é o dever de cumprir com os objetivos do Sistema Fetranspor no âmbito de suas funções. A conduta deve ser ética e sustentável, alinhada com a cultura de gestão de riscos, desenvolvimento social, econômico e ambiental.

4/

Excelência com agilidade e simplicidade: refere-se à busca das melhores práticas nas atividades sindicais e de bilhetagem eletrônica, inclusive atraindo e desenvolvendo profissionais motivados e comprometidos em fazer a diferença, de forma simples, qualitativa e correta.

5/

Inovação: significa ser criativo, eficiente e renovador. Identificar novas oportunidades, agindo de forma íntegra e transparente.

6/

Representatividade: apoiar a Fetranspor, em seu papel de representante dos sindicatos dos permissionários e dos concessionários de transporte público coletivo de passageiros do estado do Rio de Janeiro, na gestão do Sistema de Bilhetagem Eletrônica e disseminação da marca Riocard Mais.

7/

Integridade e
Conformidade

A RioPar e a RioCard TI iniciaram em maio de 2019 o Programa de Integridade e Conformidade (PIC), com duas vertentes: PIC Geral e PIC Digital. O PIC é liderado pelo Presidente Executivo da Fetranspor, que também assume a responsabilidade de Compliance Officer perante a estruturação, o desenvolvimento e o monitoramento dos seus 12 pilares, com o suporte da Gerência de Controles Internos e Riscos.

Todas as ações do PIC são submetidas à análise e acompanhamento do Comitê de Integridade e Conformidade, que é um órgão de governança corporativa com funções consultiva e fiscalizadora.

Saiba mais